Beto Carrero World aos olhos de um visitante.

Texto e foto do visitante Juliano Reinert retirado do seu blog (copiado na íntegra).

Depois de mais de mês sem novas postagens, volto à ativa num assunto de pouco rendimento, mas, ainda assim (pra mim), interessante. Não se propõe, no entanto, a ser mershandising. Muito pelo contrário. É uma experiência minha, meus sentimentos em relação a este lugar.

Em 2001 foi a primeira vez que eu fui no Beto Carrero. Na ocasião, o valor promocional do passaporte era R$ 15. Eu tinha 12 anos, nunca tinha visto uma montanha-russa na vida, tampouco passado um dia tão divertido na minha história e, por isso, aquele dia me marcou tanto que o parque, um dos maiores do mundo e o maior da América Latina, passou a ser uma das minhas rotas prediletas.

Oito anos se passaram e ontem eu fui pela 9ª vez. O passaporte promocional é, hoje, mais caro que o preço normal que quando eu fui pela primeira vez: R$ 60. Mas o que é capaz de fazer eu gostar tanto desse lugar? Enumero:

Por ser um parque temático, eu, na minha fértil imaginação, imagino horrores de coisas. A cada rua do parque eu me deparo com uma história, com o “Era uma vez” de um livro, ou com a abertura de um filme. Seja na Ilha dos Piratas, no Velho Oeste, ou num passeio de trem pelo tempo e na era dos dinossauros. Sempre volto de lá carregado de inspiração, pesado de “bagagem imaginativa” e saciado de fantasia e adrenalina.

Pelo fato de Beto Carrero ter sido um cowboy, cavalo é o que não falta. E é incrível ver tantos animais – um dos meus prediletos – de várias raças, cores e tamanhos. Desde o mais desconhecido, até o famoso companheiro do falecido João Murad: o Faísca. E o que mais chama a atenção é o cuidado com que os animais são tratados. Respeito, carinho, higiene. Além de todo o gigantesco zoológico com diversos animais: algo que não é tão fácil de vermos com frequencia: zebras, girafas, elefantes, leões, ursos e uma verdadeira fauna de mamíferos e aves.

E pra deixar o dia de qualquer um que passa por lá ainda mais incrível claro que tem os brinquedos. Atração principal que transforma o dia de todo mundo. E, apesar de não serem muitos (os radicais), mas são caprichados.

Ontem fui na nova montanha-russa. Inaugurada em 28 de dezembro, alguns navios fizeram o translado, duzentos e poucos caminhões percorreram escoltados na BR-101 sul, interditada especialmente para o transporte. Tudo isso para botar de pé a maior montanha-russa da América Latina, única invertida do Brasil (com os trilhos sob a cabeça e os pés suspensos), numa queda de 40 metros a 100km/h, uma paisagem exuberante e um trajeto que passa por cima de um rio. Andar ali é uma experiência sem explicações. Fenomenal. Valeu a pena a fila de uma hora.

Além de todos os outros já conhecidos: a Star Montain, o Elevador, Tchibum, Império das Águas, Big Tower (que eu não fui dessa vez, faltou coragem) entre tantos outros.

E pra encerrar, um show que mistura comédia e bang-bang, numa lenda criada para contar a história de Beto Carrero, conforme ele sonhava em ser conhecido: o Zorro brasileiro.

Sei que existe nesse mundo (e isso é assunto para outro post) pessoas de vários tipos que sempre querem ver “sem gracisse” nessas coisas. Que não entendem o que é sonho e fantasia e o quanto tudo isso faz bem pra gente. E pior ainda são aqueles que sempre atribuem a realização do sonho à desonestidade.

A história de João Murad e tudo o que ele conquistou me enche de esperança e confiança, e talvez seja por isso que eu goste tanto daquele lugar. Ele sonhou em ser o “cowboy brasileiro” e, apesar de título não tão popular, não houve outro além dele. Ele sonhou em construir a “Disney brasileira”, e ergueu. Não está pronta, e nem é tão majestosa quanto o parque americano, mas está no caminho certo. E tudo começou simplesmente com um circo.

Os maldosos, como disse acima, costumam atribuir essas coisas à atitudes desonestas, como “vender a alma”. Eu até acredito que João Murad tenha vendido a alma, mas não para o diabo. Vendeu para os seus sonhos, para seus músculos e suas ideias. Vendeu para sua mente, para, com força de vontade, arregaçar as mangas e lutar por aquilo que ele queria. E tudo foi tão intenso e verdadeiro, que contagia a cada um de nós quando entramos lá e nos entregamos às viagens que cada metro quadrado do parque nos proporciona embarcar.

Sem dúvida, cada passo é uma aventura radical.

Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

16 respostas a Beto Carrero World aos olhos de um visitante.

  1. Cintya disse:

    “Eu até acredito que João Murad tenha vendido a alma, mas não para o diabo. Vendeu para os seus sonhos, para seus músculos e suas ideias. Vendeu para sua mente, para, com força de vontade, arregaçar as mangas e lutar por aquilo que ele queria. E tudo foi tão intenso e verdadeiro, que contagia a cada um de nós quando entramos lá e nos entregamos às viagens que cada metro quadrado do parque nos proporciona embarcar.”

    É isso que eu sempre digo e as pessoas não me entendem… Tá aí uma forma de explicar minha paixão pelo parque!

  2. TickJooe disse:

    Muito legal a sua admiração que você tem ao Parque Beto Carrero World,tenha certeza que BETO CARRERO está muito feliz com sua atitude,pois você assim como eu é um CarreroManíaco apaixonado pelo eterno herói e seu Parque.

    Abraços…
    Gabriel Duarte o TickJooe

  3. ENRIQUE disse:

    Ola a todos, eu sou argentino, ninguém sabe para além do Beto Carrero, minha família e eu somos 14 no total, ficamos 15 dias em Bombinhas, o blog da propriedade onde ficamos (Bombinhas residencial vista panorâmica) tinha um atalho para o Blog Beto Carrero, assim ficamos a saber que existia quando entramos no blog não podia acreditar, que viajou duas vezes ao parque (não muito longe de Bombinhas) chegamos cedo e 06,30 para um único dia não foi suficiente para ver não todo.disculpen Portuguez então eu traduzi o texto com o tradutor do Google.

    Ola a todos,soy Argentino,alla nadie sabe del Beto Carrero,mi familia y yo 14 en total,nos alojamos 15 dias en Bombinhas,en el blog del residencial donde nos alojamos (residencial vista panoramica Bombinhas) habia un acceso directo al blog de Beto Carrero, asi nos enteramos que existia,cuando ingresamos al blog no lo podiamos creer,viajamos dos veces al parque(no queda lejos de Bombinhas)salimos 06.30 para llegar temprano y un solo dia no fue suficiente para ver todo.disculpen no se portuguez asi que traduje el texto con el traductor de google.

  4. murilo henrrique silva rodrigues disse:

    eu adorei

  5. leonardo jf disse:

    Parabens.. Maneiroo!!!

    Nunca fui, sou de Minas.. Mas quando tiver a oportunidade, certeza estarei lá.

  6. Guilherme Reddin disse:

    Lindo o texto, passa a sensação que todos sentem depois de ir ao BCW; Admiração. Eu como um incansável visitante do parque (tenho 21 anos e já fui, no mínimo, umas 18 vezes ao parque), tenho certeza de que o parque fará parte da minha vida para sempre, bem como para todos que visitam pelo menos uma vez esse mundo que se tornou o Beto Carrero World.

  7. Julia Chagas disse:

    Sem comentarios, PERFEITO!!!

  8. michel disse:

    adorei ter ido ao beto carrerro! tipo achei massa de mais! se vocês tiverem a oportunidade conheçam o castelo dos horrores do beto carrerro! muito 10

  9. TAINA disse:

    eu vvvvvooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo

  10. Eu ja Tive uma chance de ir para o BETOCARREIRO
    Eu estava em Piçaras em uma Excursão !!Para A praia com minha irmã

    Foi bem legall
    Mais eu perdi o Ônibus q ia pra laa

    Xoreii Di maisss !!

    o texto é muito bom eimm

  11. raquel disse:

    bom eu fui essa semana e cada vez que eu vou me encanto e essa hitstória do sonho do cowboy é linda e divertida ao mesmo tempo, concordo plenamente cada passo é uma aventura radical….

  12. Gilberto disse:

    Fui ao Parque pela primeira vez em julho de 2008, levei meus dois filhos, na época o meu filho com 7 anos e minha filha com 1 ano e meio. Ficamos encantados com tudo, os brinquedos, os espetáculos, os atores que nos trataram com muito carinho, e principalmente no passeio de trem, ao final o “sonhador” João Murad, nosso querido Beto Carrero, dava um depoimento emocionante sobre o Parque, convidando as famílias para fazerem do Parque, uma extenção de seus lares. Foi exatamente o que fiz com minha família! Moro em Angra dos Reis-RJ, todas as férias viajo com a família e já estive no Beto Carrero World seis vezes, e quando posso, acabo levando comigo vários amigos, primos, tias…
    Quando estou no Parque, acabo sendo contagiado pela magia da diversão e de uma infância maravilhosa, esquecendo os problemas da vida cotidiana. Infelizmente, o nosso Herói não está mais conosco, não pude conhecer pessoalmente quem colocou aí sim, sua alma no seu sonho, que acabou se tornando o sonho mágico de muitas crianças e de alguns adultos, e poder parabenizá-lo pelo feito audacioso e corajoso de abrir, investir e acreditar em um parque genuinamente brasileiro com muito orgulho!
    O que me alegra, é poder ver que seu filho, Alex Murad, que diferente de muitos herdeiros, abraçou o sonho de seu pai, e mesmo não tendo o carisma, o talento artístico que acompanhou durante a vida de seu pai, continuou o investimento (e que investimento!), para que o Parque realmente hoje seja referência em diversão no país, com um crescimento maravilhoso e muito perceptivo nos últimos anos. Eu adoro, minha esposa adora, meus filhos amam e não imaginamos ficar nas férias sem nos divertirmos no melhor Parque do Brasil!

  13. Claudete disse:

    Você com suas palavras demonstrou o que muitos sentem, inclusive eu, a minha primeira vez ao Beto foi em Dezembro de 1997, foi amor a primeira vista, e Beto Carrero, (João Murad), foi e é minha inspiração, cada vez que penso em desistir dos meus sonhos, lembro o quanto ele lutou pra realizar o dele, inclusive um dos meus sonhos é trabalhar no parque como artista, mas se não desse, poderia ser nos brinquedos, e pela inspiração continuo lutando mandando curriculos acessando o site no Casting. Parabéns pelas palavras

  14. Leo disse:

    simplesmente maravilhoso….

  15. Meu namorado Aloísio e eu adoramos o parque e curtimos adoidado como duas crianças…Ele, que tem medo de elevadores, andou em todas as montanhas russas e desceu na torre! Aconselho aos visitantes que não percam o show das águas. SENSASIONAL! Na verdade, recebi uma solicitação do Hotel Açoriano para fazer comentários sobre minha estada nele, mas, não sei o lugar onde colocar aqui. Aconselho que se hospedem lá. É pertinho do parque, os funcionários são super gentis, tem uma padaria tipo lanchonete ao lado e um supermercado do outro lado da rua. Seu estacionamento é amplo e o preço é muito acessível.

  16. Gabryel de Barros dos Santos disse:

    Bom, a primeira vez que eu fui ao Beto Carrero foi em 2003 com 5 anos, depois eu começei a trocar minhas festas de aniversário por idas ao parque, e nunca mais parei hoje com 14 anos o meu destino preferido é o parque, vou todo ano varias vezes, o meu brinquedo favorito concerteza é a Fire Whip, gosto muuuito dessa montanha russa é uma sensação inexplicável…
    Valeu galera do Beto Carrero que sempre nos recepcionou muuito bem valeu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *